5 passos para não perder o controle financeiro em 2021

5 passos para não perder o controle financeiro em 2021
Por: Da Redação em 09/02/2021

Para quem está muito endividado, lidar bem com o dinheiro parece um sonho inatingível. Este é o seu caso? Então, não se desespere! Saiba que, como em tudo na vida, aprender a se organizar para ter dinheiro sobrando é uma questão de hábito.

Ao iniciar algumas medidas simples, você vai ver que, diferentemente do que parece (e até muitos repetem por aí), não é tão difícil assim economizar aquela graninha no fim do mês: basta ter disciplina e um bom planejamento financeiro!

Ficou curioso? Quer saber mais para começar este 2021 com uma boa organização financeira e, em breve, sair do aperto? Então, não saia daqui! Acompanhe, na sequência, cinco reflexões que podem te ajudar a controlar melhor seus gastos, evitar dívidas e ter mais dinheiro sobrando nesse ano que está apenas no início! Continue com a gente!

Antes de sair comprando, reflita

Preciso mesmo de tudo o que compro? Meus gastos estão, de fato, compatíveis com o que eu ganho?

É possível sim realizar todos os sonhos de consumo que a gente tem, e também presentear aqueles a quem a gente ama, mas tudo isso deve ser feito pensando em quanto tempo é possível juntar o dinheiro para determinado objetivo e quanto é possível poupar por mês para conseguir o dinheiro necessário à realização do sonho, dentro de uma possibilidade de renda compatível.

Para que você consiga atingir este objetivo, reveja seus hábitos de consumo e não compre nada por impulso.

Renda extra é uma boa oportunidade para se colocar as finanças em ordem

Caso você tenha uma renda extra, não saia gastando o dinheiro por aí! Aproveite a oportunidade para colocar as finanças em ordem (pagar dívidas ou começar a poupar ou, ainda, mais para frente, investir). Veja, a seguir, alguns exemplos de renda extra:

  • Décimo terceiro salário;
  • Restituição do Imposto de Renda;
  • Distribuição de PLR (Participação nos Lucros e Resultados) da empresa;
  • 1/3 do valor correspondente às suas férias;
  • Comissões;
  • Bônus;
  • Venda de artigos que têm em casa;
  • Venda de artesanatos.

Não ignore a importância do orçamento doméstico

Mesmo que você tenha passado todos os anos até agora sem cuidar de sua vida financeira, isso não é motivo para desanimar, afinal há sempre um dia para recomeçar, não é verdade? Sendo assim, comece hoje mesmo a cuidar das suas finanças e faça do planejamento financeiro um hábito. Para que você faça um bom orçamento doméstico, siga estes passos:

  • Anote todas as suas receitas (o que recebe de dinheiro) e seus gastos (todos mesmo) numa planilha, aplicativo de celular ou até mesmo numa folha de papel;
  • Separe em categorias esses gastos fixos, gastos variáveis e gastos supérfluos (que não são necessários);
  • Se percebe que gasta mais do que recebe, corte as despesas imediatamente;
  • Ajuste as despesas para fazer sobrar ao menos 10% da sua renda e começar a investir todo mês;
  • A sua primeira poupança deve ser destinada à formação da reserva de emergência.

Fuja das dívidas

Para que você não tenha que recorrer a empréstimos toda vez que as contas saírem de controle, faça um planejamento de gastos que você sabe que vão acontecer. Dessa maneira, vai evitar que as contas se acumulem. Veja alguns exemplos desse tipo de gastos:

  • Pagamento de impostos como IPTU, IPVA;
  • Matrícula escolar;
  • Compra de material escolar e uniforme;
  • Pagamento de anuidades;
  • Compra de presentes de Natal, aniversário, dentre outros.

Para você se organizar melhor, para pagar os gastos que acontecem todo ano, uma possibilidade é dividir o valor desse gasto pelo número de meses. Por exemplo: se o IPVA do carro custar R$ 1.200, reserve R$ 100 durante todos os meses do ano para cobrir essa despesa. Já no que se refere aos gastos inesperados, que pedem uma reserva de emergência, confira a próxima dica.

Comece e mantenha uma reserva de emergência

O ano de 2020 mostrou, mais do que nunca, a necessidade de a gente ter uma reserva de emergências para gastos inesperados, como desemprego, doença e acontecimentos que podem fazer com que você se endivide de um dia para o outro. Para que você faça uma boa reserva de emergências, poupe o valor equivalente a seis meses de todas as suas despesas.

Por exemplo, se todos os seus gastos somam R$ 3 mil por mês, poupe o equivalente a R$ 18 mil e mantenha em uma aplicação que privilegie a liquidez, ou seja, a facilidade de você ter o dinheiro em mãos rapidamente, e não necessariamente a rentabilidade. Exemplos desse tipo de aplicação: poupança (apesar do baixíssimo rendimento), Tesouro Selic, CDB de liquidez diária, dentre outros.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*