Como consultar se o nome está sujo: entenda com é possível verificar a restrição dos seus dados`

Por: Da Redação em 14/05/2021
Como consultar nome sujo

Embora ninguém goste de ficar com o “nome sujo”, esta é uma realidade mais normal do que parece. Uma pesquisa do Serasa divulgada em março de 2021 revelou que o Brasil tem 62,56 milhões de pessoas com o “nome sujo”. Mas como consultar se o seu nome está sujo? 

Se você sempre teve dúvidas sobre como consultar se seu nome está “sujo” junto aos órgãos de proteção ao crédito, acompanhe este artigo até o final. 

Consultar nome sujo: o que significa ter o nome em restrição

Você provavelmente já deve ter ouvido a expressão de alguém estar “com o nome sujo”. No Brasil, isso quer dizer que a pessoa é uma má pagadora. 

Ter o nome sujo é quando uma instituição de proteção ao crédito (geralmente SPC ou Serasa) inclui o seu CPF no banco de dados, o que poderá comprometer seu poder de compra e crédito no futuro.

As pessoas se tornam inadimplentes por inúmeros motivos. Na maioria das vezes, é por não conseguir arcar com dívidas de longo prazo, mas também pode acontecer por contas que a pessoa “esquece de pagar”.

O valor, que era pequeno inicialmente, vai crescendo e pode se tornar uma surpresa quando o cliente receber a notificação da instituição de proteção ao crédito. Por isso a importância de consultar o cadastro de tempo em tempo.  

Ok, mas como saber se meu nome está “sujo” com alguma instituição? É exatamente sobre isso que vamos falar agora. 

Consultar nome sujo: é possível saber de forma gratuita?

Sim. É possível consultar seu CPF gratuitamente para saber se você está com o nome sujo ou não. Um dos portais que permite fazer isso é o Serasa Consumidor. 

Para fazer a consulta, basta acessar o portal www.serasaconsumidor.com.br (ou baixar o aplicativo) e escolher a aba “Consultar dívidas”. O cliente fará um breve cadastro com seus dados pessoais e criar uma senha que será confirmada via e-mail. 

1 – Após confirmar o cadastro, basta acessar o painel “Pendências”

2 – Acesse as informações sobre o seu CPF. Vale destacar que a versão gratuita é mais resumida e não traz tantos detalhes como a versão Premium, onde o cliente pode ver seu histórico de dívidas e sugestões de negociações.

3 – A plataforma vai te mostrar um levantamento das empresas que cadastraram a dívida, valores e datas originais de vencimento.

Se você identificou alguma pendência no Serasa, uma oportunidade interessante da plataforma é ficar atento ao Feirão Limpa Nome. É possível obter descontos de até 80% em dívidas que já prescreveram. 

Uma alternativa para ficar alerta sobre compras feitas no seu CPF é o serviço Serasa Antifraude, ferramenta por assinatura que emite avisos ao cliente sobre novas pendências financeiras, consultas feitas por empresas ou alteração de score – ferramenta que reflete os hábitos de pagamentos de crédito do consumidor.

Ter um bom score é fundamental para obter facilidades como empréstimos a juros menores, financiamentos facilitados, entre outros benefícios.  

Como consultar nome sujo: CPF grátis no SCPC?

Atuante no mercado de crédito brasileiro há mais de 60 anos, o portal da Boa Vista também disponibiliza consulta ao CPF gratuitamente ao banco de dados de órgãos de proteção ao crédito por meio do portal Consumidor Positivo, também.

Para consultar o CPF grátis no Boa Vista, é preciso fazer um cadastro na plataforma a partir do CPF, e-mail e outros dados pessoais. Após criar a senha, basta acessar o painel “Dívidas” para saber o número de pendências no seu nome. 

Vale destacar que a plataforma faz a divisão de dívidas que ficam visíveis para consultas no mercado, incluindo o nome da empresa que recorreu ao cadastro. O portal também faz o levantamento de desenvolvimento de cheques e protestos no nome do usuário. 

Como consultar nome sujo: CPF no SPC Brasil

O portal do SPC também oferece consulta ao CPF online para saber se o seu nome está sujo, contudo, é necessário pagar uma taxa de R$ 9,90 pelo serviço. Você pode solicitar o serviço pelo portal (www.spcbrasil.com.br) ou pelo aplicativo da instituição. 

Embora seja pago, o serviço de consulta dá acesso a informações mais completas em relação às versões gratuitas, geralmente restritas a visualização de registros de inadimplência e protestos. 

A consulta permite acessar, por exemplo, os dados cadastrais obtidos por empresas cadastradas, o que inclui endereços e telefones. Também é possível visualizar o histórico de consulta ao CPF do cliente nos últimos 6 meses, créditos contratados, além de acessar informações exclusivas do Poder Judiciário. 

O portal também poderá cobrar valores adicionais para serviços extra, como participação do usuário em empresas. A plataforma também oferece consultas pagas a CPF e CNPJ de terceiros.

Consultar nome sujo: meu nome está restrito e agora?

O primeiro passo é saber quais são as duas opções para quem descobre que está com o nome sujo. 

A primeira opção é quitar a dívida que ocasionou na restrição do seu nome junto às instituições de proteção ao crédito.

Depois de fazer isso, seu nome deve ser retirado do cadastro em até 5 dias. 

A outra opção é deixar a dívida prescrever, mas saiba que caso opte por fazer isso, seu nome poderá ficar “sujo” por até 5 anos. 

É importante lembrar que não é vantajoso ficar com o nome sujo, de modo que quanto mais tempo nessa situação, pior para o cliente futuramente.

Vale destacar que as empresas analisam o histórico de pagamento de dívidas antes de conceder empréstimos, financiamentos, cartões, cheques, consórcios, entre outros bens financeiros fundamentais. 

E aí, aprendeu a consultar seu CPF gratuitamente para ver se seu nome está sujo? Pretende fazer uma consulta gratuita ou paga? Indique este artigo para alguém que precisa saber como consultar “nome sujo” de graça e fique ligado no Plusdin para mais dicas como esta.

E lembre-se sempre: aqui no Plusdin você dá um gás nos seus conhecimentos de educação financeira.

(Redação: Carlos Bertin)

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*