Consórcio de imóveis: como funciona, quanto custa e quais são as vantagens

O consórcio de imóveis pode te ajudar a conquistar a tão sonhada casa própria. Mas será que vale a pena? Saiba tudo aqui

Por: Gustavo Marlieri em 21/07/2021
Consórcio de imóveis

Adquirir a casa própria é um sonho compartilhado por milhares de pessoas. Mas como o valor de um imóvel no Brasil costuma ser bastante alto, nem sempre esses indivíduos têm o dinheiro necessário para fazer a compra à vista. Nesse sentido, uma das saídas pode ser o consórcio de imóveis.

O consórcio é uma invenção brasileira que existe desde a década de 1960 e já ajudou milhares de pessoas a realizar seus sonhos, seja o de comprar uma casa, reformar um imóvel, adquirir um carro etc.

Por isso, no post de hoje explicaremos como funciona o consórcio, quanto custa fazer um, quais as vantagens, as desvantagens e traremos as melhores empresas para fazer um consórcio imobiliário. Boa leitura!

O que é um consórcio de imóveis?

Para entender o que é um consórcio habitacional, primeiramente é necessário compreender o que é e como funciona essa modalidade de compra.

Consórcio nada mais é do que um conjunto de pessoas com um mesmo interesse que se unem para viabilizar esse objetivo. No caso do consórcio de imóveis, o objetivo é adquirir a casa própria.

Nesse sentido, cada um dos participantes contribui mensalmente com um valor de modo a permitir que um ou mais integrantes do grupo possa fazer a compra do seu imóvel à vista a cada mês.

Essa aquisição se dá por meio de uma carta de crédito, que é o documento repassado pela empresa administradora do consórcio para que o membro contemplado possa comprar o seu imóvel.

Na prática: como funciona um consórcio de imóveis?

Como visto anteriormente, em um consórcio de imóveis há uma reunião de pessoas em prol de um objetivo comum. Todavia, existem outros elementos que fazem parte dessa relação para permitir que tudo aconteça da maneira esperada por todos.

Um elemento importante dessa relação é a empresa administradora de consórcios, que fica responsável por receber o dinheiro dos participantes a cada mês e de gerenciar a distribuição das cartas de crédito. Para isso, cobrará uma pequena taxa de administração de cada consorciado.

Existem basicamente duas formas de ser contemplado em um consórcio: sendo sorteado ou oferecendo um lance.

Saiba como isso funciona a seguir:

Sorteio

O sorteio é o principal meio de conseguir a carta de crédito em um consórcio. Nesse caso, cada integrante precisa contar apenas com a sua sorte para ser o contemplado do mês e, assim, conseguir realizar o seu sonho mais rapidamente.

Todavia, sempre existirão aqueles mais azarados e que acabarão ficando por último na fila de contemplações. Essa é, inclusive, uma das principais desvantagens de um consórcio de imóveis.

Lance

O lance é uma maneira de viabilizar a contemplação sem a necessidade de contar exclusivamente com a sorte.

Nesse sentido, o consorciado que tiver algum dinheiro em mãos pode tentar conquistar a sua carta de crédito oferecendo um lance, que é uma forma de adiantar o pagamento das parcelas.

Dessa forma, se vários consorciados oferecerem lances em um mês, aquele que oferece o maior valor fica com a carta de crédito.

Quanto custa um consórcio imobiliário?

Uma das características mais lembradas dos consórcios em geral é o fato de que eles não possuem juros, diferentemente do que acontece nos financiamentos, por exemplo.

No entanto, é importante lembrar que, mesmo não possuindo juros, os consórcios imobiliários têm custos, pois é necessário contratar uma administradora de consórcios para gerenciar o recebimento do dinheiro e a distribuição das cartas de crédito.

Nesse sentido, os principais custos de um consórcio imobiliário são:

  • Taxa de administração: é a taxa paga a título de remuneração à empresa responsável por gerir o consórcio (administradora);
  • Fundo comum: é o valor efetivamente pago pelos participantes do consórcio para formar um fundo destinado à aquisição do imóvel;
  • Seguro: é um valor mensal a ser pago pelos participantes para garantir a continuidade do pagamento das parcelas em caso de morte ou desistência do segurado;
  • Fundo de reserva: é um valor destinado à proteção do grupo como um todo e visa cobrir eventuais despesas que venham a surgir, como casos de inadimplência.

Vantagens e desvantagens do consórcio de imóveis

Assim como todo meio de viabilizar a compra de um bem de maneira parcelada, o consórcio de imóveis tem as suas vantagens e desvantagens. Confira algumas delas:

Vantagens:

  • Não existe a cobrança de taxas de juros;
  • Não é preciso dar uma entrada;
  • Existem muitos prazos e planos disponíveis no mercado;
  • É possível acelerar a contemplação por meio da oferta de lances;
  • Pouca burocracia.

Desvantagens:

  • É preciso contar com a sorte ao longo do processo, sendo que você pode ser a última pessoa a receber o bem;
  • É preciso ter muita paciência, pois pode levar anos até que você seja contemplado(a);
  • Existe multa no caso de desistência ao longo do caminho;
  • A taxa administrativa é um custo que você não teria se juntasse o dinheiro e comprasse o bem à vista.

Qual a melhor empresa para fazer um consórcio imobiliário?

Existem muitas empresas que trabalham com consórcios de imóveis no Brasil. Dentre elas, podemos citar diversas administradoras, bancos e até mesmo fintechs que atuam nesse segmento.

Confira algumas delas:

  • Banco do Brasil;
  • Caixa;
  • Consorciei;
  • Embracon;
  • Itaú;
  • Mycon;
  • Rodobens;
  • Up Consórcios;

Não existe um consenso sobre qual seria efetivamente a melhor empresa para se fazer um consórcio imobiliário. No entanto, cabe a você fazer uma boa pesquisa antes de fechar um contrato.

Nesse sentido, busque conhecer melhor essa empresa, pesquise a sua reputação em sites como o Reclame Aqui e observe quais são os custos do consórcio, qual é a taxa de administração e quanto você pagará no final do processo.

Confira, também, quais são as regras do contrato, quais as possíveis multas no caso de inadimplência ou de desistência, além das demais condições oferecidas pela empresa.

Perguntas frequentes

Posso usar o FGTS no consórcio?

Sim! É possível fazer o uso do saldo do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para ofertar lances ou mesmo para complementar o valor da carta de crédito em um consórcio de imóveis.

O que acontece se eu desistir do consórcio?

Você pode desistir de um consórcio de imóveis e pedir o valor pago de volta, pois a lei (Código de Defesa do Consumidor) veda a perda total das parcelas pagas pelo consumidor. Todavia, você não receberá todo o dinheiro que pagou de volta.

Isso acontece, pois serão descontadas as taxas de administração e os seguros que estão embutidos nas parcelas. Todavia, como geralmente quem entra em um consórcio não tem a intenção de desistir dele, casos assim ocorrem com pouca frequência.

Ainda tem alguma dúvida sobre o consórcio de imóveis? Escreva para a gente aqui nos comentários e não deixe de conferir outros conteúdos interessantes sobre educação financeira aqui no Plusdin.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*