Dados bancários: em breve eles serão abertos a todos os bancos – e isso é bom; entenda

O banco aberto, em tradução livre, é o sistema que permitirá o compartilhamento de dados de todos os participantes das instituições financeiras.
Por: José Eduardo em 19/04/2021

A implantação do Open Banking (banco aberto, em tradução livre) será concluída este ano e seus dados bancários ficarão à disposição de todo o mercado financeiro; como efeito, haverá mais produtos financeiros, concorrência e menos burocracia na oferta de crédito

Vamos por partes, a primeira coisa que você precisa entender é que o Open Banking está em implantação no Brasil. O banco aberto, em tradução livre, é o sistema que permitirá o compartilhamento de dados de todos os participantes das instituições financeiras.

Ou seja, sua ficha bancária ficará à disposição de todo o mercado financeiro, desde as mais tradicionais, como os bancos comerciais e as cooperativas de crédito, como também as mais novas, as fintechs.

Acredite, isso é muito bom. Entre os benefícios do Open Banking estão o barateamento do crédito e a inclusão de novos consumidores no sistema financeiro.

Liberar meus dados bancários não é uma violação ao meu sigilo financeiro?

A liberação das suas informações financeiras não será automática. Você poderá autorizar a instituição interessada nas informações, cujo acesso se dará por meio de APIs (na sigla em inglês) ou Interfaces de Programação de Aplicativos.

Ao aceitar compartilhar suas informações você passa a acessar ofertas de outros bancos para um determinado produto financeiro, um empréstimo, por exemplo. Com o Open Banking, haverá queda de tarifas bancárias e queda no custo do crédito.

Os bancos alegam que com o sistema atual, existe um alto custo na análise individual do risco de crédito. Toda que vez que você solicita um empréstimo, um grupo de funcionários do banco irá levantar a sua história financeira e a partir daí começam uma série de análises complexas para chegar a uma taxa de juro para o seu empréstimo.

Com o Open Banking, essas informações ficarão à disposição do mercado. Com isso, o custo do crédito tende a cair, pois não será necessário que cada instituição faça uma análise de crédito por indivíduo.

Isso é benéfico para os bancos e fintechs e para você, que poderá acessar rapidamente várias instituições quando for solicitar um empréstimo.

Dados bancários: quando será implantado o Open Banking?

A implantação do Open Banking será concluída este ano. Em conferência realizada, no início de abril, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, chamou a atenção para um fato do qual muitos ainda não se deram conta.

O sistema financeiro funciona hoje como uma indústria de dados que, entre suas características, opera com uma interpretação mais precisa das informações dos clientes.

Também informou que a implantação do open banking será concluída neste ano. Sua principal consequência será a oferta de serviços e de produtos financeiros mais baratos, principalmente para quem tem o “nome limpo.” 

Novos produtos financeiros e dados bancários

O funcionamento do Open Banking também fomentará o aparecimento de novos produtos financeiros, aumento da concorrência e redução da burocracia.

Outro efeito será a inclusão dos desbancarizados e sub-bancarizados no sistema financeiro que, segundo a última pesquisa do Instituto de Pesquisa Locomotiva, era um número em torno de 40 milhões de pessoas no Brasil.

O compartilhamento de dados hoje é uma realidade e a visão do Banco Central é de que esse dado é seu, que é titular da informação. Portanto, o compartilhamento tem que ser usado a seu favor.

À medida que o Open Banking permitir avaliações mais seguras do risco de crédito, todo o sistema financeiro acabará por passar por transformações.

Dados bancários:  quem vai participar do Open Banking?

Instituições financeiras com patrimônio igual ou superior a 10% do PIB ou que exerçam atividade internacional relevante, independentemente do seu tamanho, e as de porte inferior a 10%, mas superior ou igual a 1% do PIB são obrigadas a participar. Para as demais instituições reguladas, a adesão é voluntária.

A implantação do sistema terá quatro fases e foi desenvolvida em parceria com instituições do setor.

Na primeira fase, iniciada em fevereiro, as instituições compartilharam informações próprias, como número de agências, horário de funcionamento, canais de atendimento, tarifas e números sobre financiamentos e empréstimos.

São dados que permitem a comparação entre as condições praticadas banco por banco.

Quando começa o compartilhamos de dados bancários dos usuários de bancos?

O compartilhamento de dados dos usuários ocorrerá numa segunda fase, quando a interação entre as instituições e o consumidor tende a se intensificar, à medida que forem criados serviços personalizados com base no perfil do cliente.

Na terceira fase, será possível realizar operações bancárias por meio de um aplicativo intermediário, fora do ambiente de internet banking ou do aplicativo do banco. Já na quarta e última fase, prevista para ser iniciada em meados de dezembro, serão compartilhados dados sobre operações de câmbio, investimentos, seguros e outros.

Dados bancários: para quanto devem cair as tarifas dos bancos e o juro nas operações de crédito?

Segundo o Banco Centrtal, a redução de tarifas e de juros não será relevante se a adesão for baixa. Há risco de que isso ocorra. Pesquisa realizada pelo Banco Pan, em parceria com o Instituto Plano CDE, mostrou que 84% dos brasileiros das classes C, D e E não sabem o que é o open banking.

Outro ponto a ser superado é a crença do cliente de que o compartilhamento de suas informações financeiras possa abrir sua vida bancária a qualquer um. E aqui a questão em discussão é a da garantia do sigilo bancário.

Em entrevista do jornal O Estado de S. Paulo, Thiago Sombra, sócio da área de tecnologia do escritório Mattos Filho, adverte que as instituições terão de deixar bem definida a finalidade dos dados após o consentimento do usuário.

“As APIs utilizadas levarão em conta experiências em outros países, como Austrália e Reino Unido. Assim, talvez a preocupação com a segurança da informação não seja tão grande quanto a preocupação com a exata destinação que terão os dados dos clientes”, diz.

Em resumo, os benefícios do Open Banking tendem a superar os riscos para o cliente. No mais, você poderá optar se deseja ou não compartilhar sua ficha bancário com o mercado financeiro.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*