O que é fluxo de caixa e como calcula-lo?

Por: Da Redação em 09/02/2021
fluxo de caixa

De acordo com uma pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) 60% das empresas no Brasil fecham as portas após cinco anos de sua entrada no mercado. Será que isso tem relação, ou até mesmo poderia ser evitado, por uma boa análise do fluxo de caixa?

Nesta publicação, vamos mostrar como que esses fechamentos ocorrem, na maioria das vezes, pela falta de gestão e planejamento financeiro de seus proprietários e diretores. Muitos empresários pensam que é muito caro ou difícil fazer esse controle, o que, definitivamente, não é verdade!

Uma ferramenta relativamente simples e que pode ajudar muito na estabilidade e melhor controle financeiro de sua empresa é o fluxo de caixa, que deve ser aplicado, vale destacar, em empresas de todos os tamanhos.

Ficou interessado? Quer saber mais sobre o assunto? O que é fluxo de caixa? Qual a sua importância para o controle financeiro de sua empresa? Como elaborar um bom fluxo de caixa? Acompanhe estas e outras respostas, a seguir, com a gente!

O que é fluxo de caixa?

O Fluxo de Caixa é composto por todas as entradas e saídas de dinheiro de sua empresa, é uma ferramenta que permite a visualização das movimentações financeiras do seu negócio.

Para que você possa gerenciar o seu dinheiro e o dinheiro da sua organização, entender as suas oportunidades em termos financeiros, saber qual o seu saldo de caixa e onde você pode captar recursos, então você precisa, primeiro, conhecer o básico do que é o fluxo de caixa.

É preciso que você registre tudo no fluxo de caixa da organização, qualquer tipo de entrada e saída. Um dos maiores erros que ocorre, com bastante frequência, é ignorar as pequenas entradas e saídas de dinheiro. Não faça isso!

Qual é a importância do fluxo de caixa?

O fluxo de caixa auxilia no gerenciamento de gastos, fazendo os registros das despesas da organização, tornando assim muito mais fácil um trabalho de redução de custos. Não é possível definir metas de melhoria sem conhecer os dados históricos para que você possa analisar.

Quando você estrutura seu fluxo de caixa, é possível ter controle financeiro da sua organização, uma vez que o fluxo de caixa permite a previsibilidade, isto é, saber quanto sua empresa terá em caixa daqui a um mês, dois meses ou um ano.

Para melhorar as tomadas de decisões, o fluxo de caixa pode servir como embasamento, já que ali estão todos os dados de suas finanças.

Como fazer uma boa gestão do fluxo de caixa?

Para que você garanta uma boa gestão do fluxo de caixa, é necessário que você leve em consideração alguns fatores, tais como:

  • Diminuir a necessidade de capital de giro: quanto mais se encurtar o tempo entre o pagamento de fornecedores e o recebimento de clientes, melhor será a saúde financeira e o controle do fluxo de caixa;
  • Ter fluxo de caixa positivo: busque sempre ter mais entrada do que saída, do contrário a empresa não sobrevive;
  • Planejar o controle de estoques: se tem estoque, tem dinheiro parado que poderia estar sendo utilizado para outras coisas. Por outro lado, se o estoque está muito baixo pode-se estar perdendo vendas. Por isso o bom controle é importante para a sustentabilidade do negócio.

Como elaborar o fluxo de caixa?

Acompanhe, a seguir, um passo a passo para você elaborar o fluxo de caixa de sua empresa.

Separe entradas e saídas nas seguintes categorias

Fluxo de Investimentos: aquisição de ativos fixos (saídas de caixa) e vendas de ativos fixos (entradas de caixa). Como por exemplo a compra ou a venda de equipamentos;
Fluxo de Financiamento: entradas provenientes de capital próprio e de terceiros; saídas para pagamentos de empréstimos, financiamentos, distribuição de lucros e devolução do capital dos sócios;
Fluxo de Operações: fluxo de caixa do dia a dia. Por exemplo: receitas e despesas com estoques e matéria-prima; contas a pagar como água, energia elétrica e impostos; entradas de caixa pela venda de produtos e mercadorias.

Registre todas as receitas e despesas

  • Utilize uma ferramenta para registro: pode ser uma planilha no Excel ou alguma ferramenta de gestão. O importante é que tudo seja detalhadamente registrado;
  • Controle diário: para que você não corra o risco de esquecer alguma entrada ou saída de recursos, lembre-se de fazer anotações todos os dias;
  • Lançamento correto dos dados: atenção para não anotar valores errados é importante para que o fluxo de caixa esteja totalmente correto.

Faça a análise dos dados

  • Receitas e Despesas: verifique quanto você tem de receita e despesa no período (dia e mês) e se tem lucro ou prejuízo, com o histórico é possível identificar sazonalidade comparando períodos;
  • Saldo Mensal e Acumulado: mostra quanto dinheiro você tem em caixa ao final do período (Saldo final = Saldo inicial + Entradas – Saídas). Acompanhe variações do dinheiro em caixa e tenha uma reserva;
  • Lucro: para calculá-lo é preciso considerar todos os gastos da empresa naquele mês e diminuí-los do valor gerado com as vendas. Acompanhe também a lucratividade do negócio;
  • Gráficos e Indicadores: eles permitem que você entregue tendências de crescimento ou queda no seu negócio em receitas ou despesas, além disso, é possível entender a distribuição das receitas e despesas nas categorias criadas.

O que é Fluxo de caixa projetado?

Fluxo de caixa projetado é a estimativa do quanto de entrada e saída financeira a empresa terá nos meses que seguirão. É preciso avaliar como é a forma de pagamento dos clientes: qual a porcentagem que paga à vista, qual a porcentagem que parcela e de quantas vezes é feito esse parcelamento. Proporciona um melhor planejamento financeiro para a empresa que o utiliza.

O que é Fluxo de caixa livre?

Fluxo de caixa livre é, basicamente, o dinheiro que sobra após os pagamentos de todos os custos. Não tem segredo: se o saldo for positivo, as receitas foram maiores que as despesas.

O fluxo de caixa livre é uma ferramenta muito útil para analisar a capacidade da empresa de gerar caixa em curto, médio e longo prazo. É um parâmetro para analisar se a empresa está tendo lucratividade. Servindo para analisar e controlar o comportamento do negócio e a tendência de continuar neste movimento ou não.

Ele pode ser usado, por exemplo, para manter o capital de giro da empresa ou para algum investimento. No caso de uma expectativa de capital em excesso em determinado período, gestores como você podem tomar decisões de maneira a aproveitar este recurso de forma mais produtiva.

O fluxo de caixa deve ser apurado em regime de caixa ou regime de competência?
No regime de competência, tanto as vendas quanto as compras são contabilizadas no momento em que elas ocorrem, não importando se o pagamento será efetuado agora ou daqui a um mês. Por sua vez, no regime de caixa, despesas e receitas só serão contabilizadas no momento que o pagamento ou recebimento for efetuado. E é neste regime que entra o fluxo de caixa.

Como calcular o fluxo de caixa de uma empresa?
Se a análise mês a mês do seu fluxo de caixa está trazendo informações ainda pouco palpáveis para suas conclusões, você pode querer mensurar o que estas entradas e saídas, passadas ou futuras, representam para você no presente.

Para isso, você precisa, antes de qualquer coisa, determinar a Taxa Interna de Retorno (TIR) da sua empresa. Com ela você saberá o quanto este dinheiro te renderia durante os meses caso você o investisse hoje na sua empresa. Por isso, ela serve como base para valorizar e desvalorizar o seu dinheiro no tempo.

Com o TIR em mãos você já pode entender e utilizar a seguinte fórmula:

VP=VF/(1+TIR)^n

Sendo:

  • VP: Valor presente;
  • VF: Valor Futuro;
  • TIR: taxa de juros;
  • n: número de períodos (geralmente meses ou anos).
Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*