Investimento: o guia completo para iniciantes

Investimento: o guia completo para iniciantes
Por: Da Redação em 09/02/2021

Se você tem um grande sonho ou almeja sua independência financeira, provavelmente vai precisar de dinheiro para realizar seus planos, e nada melhor do que fazer um investimento para alcançar seu objetivo.

Segundo o Datafolha, 65% dos brasileiros sofrem com a dificuldade de poupar pensando em um projeto futuro,se contentando apenas com as recompensas imediatas que o dinheiro pode proporcionar, mas se esquecendo que para alçar vôos maiores, é importante se planejar.

Essas pessoas, muitas vezes não investem por acreditarem que é algo complicado, ou que precisa de muito dinheiro para começar, mas hoje vamos te mostrar como realizar um investimento é muito mais simples do que você imagina, e você pode começar com o que tem em mãos. Veja como é fácil.

O Que é Investimento?

Investir é fazer seu dinheiro virar ainda mais dinheiro! Com certeza você já ouviu falar sobre aplicação, não é mesmo? Na verdade esse termo é sinônimo de investimento, e vamos usar muito nesse texto. Mas não se preocupe, é tudo muito mais simples do que parece.

Imagina ter uma renda extra mensal gerada apenas com a rentabilidade de um recurso que você aplicou em algum lugar? Isso é ter um investimento!

O professor da B3 Educação, Arthur Vieira de Moraes, alega que “investir é todo o empenho que alguém faz em busca de um ganho ou uma melhoria”, e no caso de investimento financeiro, esse ganho vem através dos rendimentos de uma aplicação. Em suma, você pode investir comprando um imóvel, empreender ou até mesmo investir em um título. E é sobre isso que vamos falar hoje.

Como Investir Dinheiro?

Mas como começar a investir? Você sabia que as pessoas mais ricas do mundo são investidores? Se você estava com medo e não sabe por onde começar, vamos te ajudar com um passo a passo infalível:

Tenha Objetivos: todo seu dinheiro precisa ter um destino. O investimento nada mais é do que ter todo o controle do seu dinheiro nas suas mãos, usando o planejamento. Sem este planejamento, você não consegue se programar onde investir, qual o valor mensal e por quanto tempo sua verba ficará naquela aplicação.

Descubra Suas Tarifas Bancárias: Você deve estar se perguntando porque colocamos este passo, mas na verdade ele é importantíssimo, pois os investidores sempre transferem dinheiro da sua conta bancária para a conta de investimento e vice-versa. Por isso é recomendado que você verifique o quanto paga por TED, e escolha bancos que não geram essa cobrança, ou cadastre seu PIX logo para não perder sua rentabilidade só com as transferências.

Procure Plataformas de Investimento: Estas plataformas permitem que os investidores façam aplicações por conta própria. Você pode verificar no seu próprio banco se eles oferecem este serviço ou procurar uma corretora confiável. Dica extra: ao abrir sua conta em uma corretora de valores, provavelmente irá encontrar alternativas de investimento mais acessíveis para a sua realidade, e com rentabilidades maiores.

Descubra Seu Perfil de Investimento: É importante saber o seu perfil de investidor antes de começar a investir. Este perfil é uma espécie de teste, que identifica suas preferências e expectativas em relação aos investimentos. São três tipos de perfis de investidores: conservador, moderado e arrojado. As próprias corretoras fazem este teste com você, que consiste em algumas perguntas simples, como “por quanto tempo precisa investir”, “qual a sua tolerância ao risco”, etc. Mais uma vez vemos a importância de traçar seus objetivos desde o início.

Quais São os Principais Tipos de Investimento em Renda Fixa?

Existem dois tipos de investimentos: os de renda fixa e de renda variável.

Investimentos de renda fixa são aqueles que informam as regras de remuneração no momento de sua contratação, sem surpresas. Já os investimentos de renda variável, são aqueles cujo retorno é imprevisível no momento do investimento.

Você se lembra dos perfis de investidor? Então, os investimentos de renda fixa geralmente são o ponto de partida para quem quer aprender a investir, ou para aqueles que se identificam com o perfil conservador. Os mais conhecidos são: Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA, Debêntures, Letras de Câmbio, CRI/CRA e poupança. Vamos falar um pouco sobre cada um deles.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um dos investimentos mais seguros que existem, afinal de contas, ele é emitido e garantido pelo Tesouro Nacional. No Tesouro direto, você empresta seu dinheiro para o Governo financiar áreas como educação, infraestrutura e saúde do país, e recebe rendimentos predeterminados em cima desse valor, com liquidez dependendo do tipo de título contratado.

Como investir no Tesouro Direto?

Ao entrar na sua conta da corretora, é só escolher o título que te agrada, e na mesma linha é possível verificar a data de vencimento, indexador, taxa de juros, preço unitário e clicar em “aplicar”. A plataforma irá te informar quantos títulos estará comprando de acordo com o valor sugerido. Se desejar, é possível realizar uma simulação antes de comprar o título escolhido.

Ações

Diferente do Tesouro Direto, as ações fazem parte dos investimentos de renda variável e apenas 0,29% da população investe na bolsa do Brasil. Esse número ainda é baixo pois muitas pessoas ainda temem investir em ações. Mas ao contrário do que muitos pensam, é possível investir na bolsa de valores sem medo, desde que você pesquise bastante e se prepare para planejar a melhor carteira para sua realidade.

Como investir em ações?

Assim como os demais investimentos, é obrigatório ter uma conta em uma corretora ou em algum banco que faça este serviço antes de investir em ações. Recomendamos fazer o download da instituição escolhida para gerar o token de segurança com mais facilidade.

A ordem seria esta:

  • Transfira o dinheiro para a conta (não precisa ser muito. A partir de R$ 4 já é possível investir)
  • Escolha as ações (abra o site da bolsa antes e verifique as principais ações e seus valores antes de investir)
  • Acesse o Home Broker
  • Digite no local: “papel” o código da ação escolhida
  • No quadro “preço”, você escolhe o valor que deseja pagar por aquela ação, de acordo com o leilão que você vê acima da área de negociação.
  • Faça sua assinatura digital e confirme sua ordem de compra
  • No livro de ofertas você pode acompanhar sua ordem de compra com facilidade

CDB

A sigla CDB representa o Certificado de Depósito Bancário, um investimento de renda fixa. Ele funciona como um empréstimo que você faz para a instituição financeira, e recebe em troca uma rentabilidade. Na maioria das vezes, o banco usa este recurso para seu crescimento e pagamento de dívidas, por isso, nem sempre o CDB possui liquidez diária e a mesma rentabilidade.

Existem três tipos de CDB: os de títulos pós-fixados, prefixados e híbridos:

  • Pós-fixados: tem a sua remuneração atrelada a um indexador da economia, como o CDI, portanto está sujeito à oscilação do mercado.
  • Prefixados: oferecem uma rentabilidade fixa ao ano, como 5%, por exemplo, e se mantém assim independente do mercado, mas geralmente seus prazos são maiores.
  • Híbridos: possui remuneração fixa, somada a uma variável.

FII

Os “Fundos de Investimento Imobiliário” estão em alta no mercado. Eles representam vários investidores que se unem, como se fosse um condomínio para investir em empreendimentos imobiliários, como habitações, prédios comerciais, locação, arrendamento, etc.

Para adquirir este investimento, é necessário comprar cotas desse fundo pela própria corretora, e o processo é similar a comprar e vender ações. Mas fique atento, os FII possuem uma volatilidade tão alta quanto a dos investimentos de renda variável.

BDR

Mais conhecidos como BDRs, os Brazilian Depositary Receipts são certificados que representam ações internacionais, mas que são comercializadas também no Brasil, através da Bolsa de Valores. Através deles, você pode investir no exterior sem precisar abrir uma conta em outro país pra isso, e sem burocracia. O ideal é que sejam investimentos de longo prazo, pois sua liquidez é baixa nos primeiros anos.

Na verdade, ao aplicar em BDR você não está pagando diretamente os certificados, mas os gestores brasileiros que intermediam este processo, por meio do Home Broker da sua própria corretora.

Imagine que a Apple, empresa norte americana de tecnologia, deseja abrir suas ações para o mercado internacional. Para isso, ela disponibiliza alguns certificados, que serão negociados na Bolsa de Valores de determinado país, e os investidores poderão ter acesso a este título por meio de intermediários que disponibilizam BDRs. Porém, é importante frisar que este tipo de aplicação é para investidores qualificados, que tem pelo menos R$ 1 milhão em investimentos.

LCI / LCA

A “Letra de Crédito Imobiliário”e a “Letra de Crédito do Agronegócio” (LCA) são títulos privados, emitidos por instituições financeiras públicas ou privadas, com prazo e taxa já definidos no momento da compra. Geralmente a renda mínima para investir em LCI / LCA gira em torno de R$ 1.000.

Estes investimentos pertencem ao grupo de renda fixa e são dois queridinhos dos investidores conservadores, já que são isentos de imposto de renda para pessoas físicas, e contam com a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Debênture

As debêntures são títulos emitidos por empresas de capital aberto, ou não, sua rentabilidade é superior a muitos investimentos de renda fixa e seu maior destino é financiar os projetos dos emissores.

Existem dois tipos de debêntures: as comuns e as incentivadas, e a grande diferença entre elas é que as incentivadas possuem isenção do imposto de renda, já que sua verba é destinada à obras de infra estrutura. Quando você compra uma debênture é permitido vender esse título no momento desejado, e o maior risco de investir nesse negócio é o da empresa não honrar com seus pagamentos, já que não é um investimento protegido pelo FGC. Portanto, é preciso ficar muito atento ao emissor do título antes de comprar.

Fundos de Investimento

Um Fundo de Investimento é um tipo de aplicação financeira, formada por vários investidores que se juntam em um mesmo negócio e recebem sua remuneração de acordo com a quantidade de cotas que compraram.

Por exemplo, no momento em que você compra um fundo de investimento, na verdade está adquirindo uma cota, e a soma de todos os fundos comprados é de fato o valor total do Fundo de Investimento investido.

É importante saber que neste tipo de aplicação é cobrada uma taxa de administração ,e uma taxa de performance, e a tributação é diferenciada, dependendo do tipo de Fundo que você escolher, além do IOF que é cobrado sempre que há resgate antes dos 30 primeiros dias da aplicação.

Previdência Privada

A Previdência Privada é um tipo de investimento para aqueles que desejam poupar para sua aposentadoria, ou para realizar planos de longo prazo, como pagar a faculdade dos filhos, por exemplo. Eles são oferecidos por seguradoras que calculam o quanto você precisa pagar por mês, para que em determinado momento possa sacar o seu dinheiro, ou recebê-lo de forma gradual, isso é chamado de Plano de Aposentadoria.

No entanto, é preciso se atentar às taxas de administração e de carregamento sobre cada aplicação, antes de escolher a instituição na qual você planeja investir, sem se esquecer de observar se seu plano é tributado no Imposto de Renda, ou não.

Bolsa de Valores

A Bolsa de Valores é a instituição responsável pelo mercado de ações. No Brasil, ela era conhecida como Bovespa, mas agora o nome da nossa bolsa é B3. Na prática, quando uma empresa deseja vender suas ações, ela disponibiliza essa oferta na bolsa, que se torna um intermediário desse negócio, e o processo é o mesmo para a compra de ações.

Além disso, a sua rentabilidade é diretamente proporcional à oferta e procura de um determinado título. Por exemplo, quando há muitos investidores comprando ações, a procura pelos papéis aumenta, e consequentemente seu preço sobe, e ela é valorizada. O mesmo acontece com as vendas: quando os investidores querem se desfazer das ações, colocam todas à venda, e o preço delas cai.

Vale A Pena Investir na Poupança?

Antigamente, a poupança era o principal meio pelo qual os brasileiros poupavam dinheiro e investiam a fim de ganhar rentabilidade. Porém, nos últimos anos, o cenário econômico do país mudou muito, fazendo com que a remuneração ganhada na poupança com juros se tornasse muito aquém, em comparação aos demais investimentos.

Vamos mostrar um exemplo para ficar bem claro para você: Imagine que você tem R$ 1.500 e só pretende usá-lo em 2 anos e decide fazer uma simulação. No final do período, você ganharia de rendimento R$ 43,80 na poupança, enquanto no Tesouro IPCA + 3,40% esse valor subiria para R$ 121,35.

Ah! Mas eu quero guardar meu dinheiro onde eu tenho a liberdade de sacar quando quiser. Então, hoje em dia vários bancos digitais disponibilizam o investimento automático em CDI enquanto seu dinheiro está no saldo. Para comparar, o rendimento da poupança hoje é o equivalente a 0,11% ao mês, enquanto o CDI é de 0,158%, portanto, não há desculpas para se manter na poupança.

Como Uma Corretora de Investimentos Pode Ajudar?

A corretora de investimentos intermedia a compra e venda de ações e demais títulos de investimento aos seus clientes. Antes de investir, você precisa abrir uma conta em uma corretora que, na maioria das vezes, cobra uma taxa de manutenção para cuidar dos seus investimentos, mas existem algumas que são gratuitas, portanto, você deve pesquisar antes de contratar a sua.

5 Dicas de Livros Sobre Investimentos

  • Pai Rico, Pai Pobre – Robert Kiyosaki
  • Casais inteligentes enriquecem juntos – Gustavo Cerbasi
  • Stocks for the Long Run – Jeremy Siegel
  • Faça fortuna com ações antes que seja tarde – Décio Bazin
  • O investidor inteligente – Benjamin Graham
Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*