Quais são os principais bureaus de crédito e como eles funcionam

Quais são os principais bureaus de crédito e como eles funcionam
Por: Alison Pitangueira em 07/02/2021

Você conhece algum bureau de crédito? Não? Olhe, pense bem, pois tenho a certeza que já ouviu falar de algum deles. Ainda que o nome lhe soe pouco familiar, certamente você já viu alguma informação circulando sobre o SPC ou o Serasa, por exemplo.

Pois bem, os bureaus nada mais são do que empresas que oferecem informações sobre o comportamento das pessoas quando o assunto é crédito. Esses dados são repassadas a bancos, instituições financeiras, empresas varejistas que trabalham com linhas de crédito, entre outros.

Porém, se você quer entender melhor sobre o funcionamento de cada um deles, venha conosco que vamos te explicar a atuação.

O que são os bureaus de crédito e como funcionam?

Os bureaus de crédito são empresas que atuam como um centro catalisador de informações e oferecem a outras instituições seu comportamento de crédito. Na prática, com esses dados, as empresas conseguem avaliar seu histórico de pagador e projetar um potencial de risco para oferecer linhas de crédito como empréstimos, financiamentos, cartões de crédito, entre outros..

Os bureaus coletam os dados diretamente com os credores (bancos, bandeiras de cartão de crédito, instituições financeiras, entre outros) e fontes públicas. Assim, após ter acesso direto ao seu histórico de compras do consumidor – que pode ser tanto pessoa física como jurídica – os bureaus compilam esses dados e os divulgam às instituições interessadas.

Quais dados são divulgados às empresas?

As informações sobre o histórico de crédito dos consumidores são divididas em duas categorias:

– Informações negativas: esses dados apresentam apenas possíveis inadimplências e disponibilizam quando o cliente fez o último pagamento de tal dívida. Ao quitar o débito, a informação sobre inadimplência é excluída do cadastro;
– Informações completas: apresentam relatórios que mostram todo tipo de comportamento do cliente, disponibilizando os créditos contratados, se estão abertos e a realização ou não dos pagamentos. Se o tomador de crédito se tornar inadimplente, a informação permanecerá no sistema mesmo depois de a dívida ser quitada.

Qual a importância dos bureaus de crédito?

Com os bureaus, a relação entre credor-consumidor ganha um importante aliado, já que a partir das informações captadas as empresas conseguem ter maior facilidade na tomada de decisão de crédito e o cliente poderá ter benefícios mais vantajosos com aquela instituição.

Ao receber os dados dos clientes, as instituições financeiras decidem entre manter ou aumentar os níveis de empréstimo. Com isso, de certa maneira, impactam diretamente na oferta de crédito e em um número reduzido das taxas de inadimplência.

Imagine: caso não existisse esse tipo de serviço, teríamos um número elevado de maus pagadores. Imagine se todos eles fossem para uma cadeia de negócio. A empresa automaticamente teria sérias dificuldades financeiras, certo? Com isso, atrasaria funcionários e fornecedores, que, por sua vez, também não poderiam quitar suas dívidas, o que criaria um ciclo vicioso.

Quais são os bureaus de crédito atuando no Brasil?

Atualmente, quatro bureaus de crédito atuam no Brasil: Boa Vista Serviços (antiga Equifax do Brasil), Serasa, SPC e Quod.

– SPC Brasil: provavelmente, o SPC Brasil é sistema Bureau de Crédito mais conhecido. É usado principalmente pelo comércio e pelo varejo;
– Serasa: outro nome bastante conhecido do público é a lista do Serasa. Tem funcionamento similar ao SPC Brasil;
– Quod: criado a partir da união de 5 bancos (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú-Unibanco e Santander) para desenvolver o Cadastro Positivo – que acompanha o comportamento financeiro das pessoas e valoriza os bons pagadores. Abaixo, detalharemos mais sobre o assunto
– Boa Vista: criado em 2010 e com objetivo próximo ao que oferecem SPC Brasil e Serasa, mas oferece serviços inovadores, como o Certo Car, no qual você consegue averiguar todo o histórico de multas e acidentes de um automóvel usado que deseje comprar.

Esses Bureaus se uniram e criaram a Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), que tem a missão de incentivar a educação financeira e regular a função no país.

Quais dados um bureau pode vender?

Obviamente, a atuação dos bureaus é cercada por uma legislação específica, o que faz com que esses dados coletados dos clientes não sejam vendidos de qualquer maneira, somente possibilitando o acesso às informações pertinentes para a contratação de crédito.

A lei proíbe, entre vários pontos, que bureaus compartilhem algumas informações sobre os consumidores, como sexo, saúde, origem social e étnica, além de informações ligadas à convicções políticas, religiosas e filosóficas.

O que é o Cadastro Positivo?

O Cadastro Positivo é um banco de dados operado pelos bureaus atuantes no mercado. Na prática, esse cadastro determina a inclusão automática dos consumidores ao banco de dados com informações de bons pagadores.

A ideia do Cadastro Positivo é promover uma análise de crédito mais personalizada. Com ela, bancos e instituições financeiras poderão analisar melhor o perfil de cada solicitante, o que diminui a chance de calote e, consequentemente, as taxas de juros.

Qual é a legislação por trás do cadastro positivo?

Em 2019, com a mudança dessa legislação que regula o setor, através da adoção da Lei Complementar 166, alguns pontos da Lei do Cadastro Positivo (12.414/2011) foram modificados.

Pela lei, o Cadastro Positivo só poderá usar informações com objetivo de avaliar o risco de um calote. Por isso, é possível ter acesso ao fato de que o consumidor financiou um apartamento, mas não qual é o tipo de imóvel adquirido, quantos quartos, etc.

Outrora, para que houvesse a inclusão no Cadastro Positivo, era preciso um requerimento expresso dos próprios titulares. Com a nova legislação, a inclusão é automática e obrigatória, mas os detentores de CPF e CNPJ podem requerer, gratuitamente, que os seus dados sejam excluídos das plataformas de consulta.

Ou seja, apesar dos consumidores e empresas aparecerem automaticamente na lista de bons pagadores, o seus respectivos scores poderão ser observado apenas por empresas que estejam avaliando a concessão de crédito ou transações comerciais e empresariais que impliquem risco financeiro.

E estarão disponíveis apenas informações de histórico de pagamento de transações que envolvam risco financeiro, ou seja, operações de crédito e consumo, como datas de vencimento e de pagamento das faturas/parcelas e os valores dos mesmos

Quem comanda o Cadastro Positivo?

O Cadastro Positivo também é gerido pelos bureaus de crédito, mas com intuito diferente do serviço normalmente prestado: reunir informações sobre os bons pagadores.

Como é calculado o Cadastro Positivo?

Os dados fornecidos para o Cadastro Positivo são compartilhados com todos os bureaus. O que será diferente é o peso dado a essa informação. Por exemplo, pode ser que um bureau considere que pagar em dia a fatura do cartão de crédito seja um indicativo mais preciso de bom pagador. Outro, porém, dá maior pontuação para o tamanho do crédito contratado.

Esse cálculo é denominado Score (ou seja, a pontuação de cada consumidor), que nada mais é do que a pontuação que mede a confiança do mercado na capacidade de cada pessoa honrar seus compromissos financeiros nos próximos 12 meses. Com base nessa nota os bancos e empresas vão aprovar a liberação ou não de crédito.

Para realizá-lo, os bureaus podem usar metodologias próprias, como a avaliação das contas pagas ou em atraso, do percentual de renda comprometido com dívidas, e até a quantidade de vezes em que os bancos e varejistas consultam a nota do consumidor.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*