Reserva de emergência: saiba como criar a sua para evitar imprevistos

A Reserva de emergência pode significar a salvação da lavoura na hora do aperto financeiro, mas também pode ser a realização de um sonho; saiba como fazer a sua

Por: Da Redação em 16/04/2021
A reserva de emergência é o primeiro passo para quem quer se tornar um bom investidor

Você recebe o seu salário, paga suas contas e sobra uma graninha. Você já fica animado, pois vai garantir um momento de lazer para você no final de semana, ou comprar algo que você tanto queria.

Daí você vai para casa e pá, o seu pneu estoura no caminho. Ou, já em casa, o chuveiro queima. Lá se vão seus planos por água abaixo. 

Muito provavelmente você não estava preparado financeiramente para lidar com essa situação. Se estivesse, não teria chegado até esse artigo. Aqui, nós vamos te ajudar a criar a sua reserva de emergência, para evitar momentos de crise como esses citados acima. 

Imprevistos acontecem e é algo natural. Nem tudo na vida acontece como um relógio e o dia de amanhã pode muito bem ser diferente do de hoje. Você faz planos para o seu dinheiro, mas acaba sendo pego de surpresa e, diga-se de passagem, nada agradável. 

O grande problema de lidar com essas situações é justamente a falta de planejamento. Consideramos nossos ganhos para coisas fixas e casuais, mas nunca emergenciais. Por conta disso, ficamos frustrados quando precisamos abrir mão de algo por conta de um imprevisto. 

Reserva de emergência: prever o imprevisível

“Ah, mas eu não estou com dinheiro sobrando para criar uma reserva de emergência”, você deve estar pensando.

Quando reservar dinheiro não é uma das suas prioridades, lidar com situações repentinas do dia a dia pode ser uma grande dor de cabeça.

A reserva de emergência deve ser um gasto fixo entre os seus ganhos. Mas como guardar aquilo que você não tem? Que tal isso fazer parte da sua educação financeira?

Não estamos falando para você deixar de pagar suas contas para guardar dinheiro, não é isso. Mas reservar vai requerer abrir mão de algumas coisas, pelo menos no começo.

O primeiro passo para isso é analisar todas suas contas e gastos rotineiros e começar um projeto de economia. 

Isso são para casos onde toda sua renda já está comprometida, ok? Se não for o seu caso, se sobra alguma coisa no final do mês, mesmo que pouco, é hora de considerar melhor onde você vai investir essa grana.

Se ela está programada para seus momentos de lazer, não tem problema. A nossa dica para você é pegar uma parte do que sobra para guardar, mesmo que seja pouco. 

Guardar dinheiro em uma reserva de emergência não precisa ser como guardar dinheiro para um grande investimento.

Estamos falando de imprevistos, ou seja, coisas que não acontecem com frequência. Se esse tipo de problema é recorrente em sua rotina, aí algo está errado. Por essa razão que a parcela do seu dinheiro a ser poupado não precisa ser tão grande. 

Se planejando para a reserva de emergência

Você só conseguirá criar uma reserva de emergência quando tiver toda sua vida financeira sob o seu controle. Quando todo seu dinheiro está organizado, fica mais fácil criar vários objetivos. Com a reserva de emergência não é diferente. 

Por isso, o primeiro passo é você fazer um planejamento financeiro. E como você faz isso? Organizando suas finanças de acordo com os seus ganhos e gastos.

É preciso ter uma noção minuciosa das contas, para conseguir separar sua reserva de emergência e outros investimentos. 

Se você clicar aqui, encontrará um artigo completo sobre como fazer o seu planejamento financeiro e as ferramentas necessárias para ele. Mas basicamente, você precisa estar próximo das suas finanças, sem usar seu dinheiro de forma automática. 

Ao olhar no final do mês, você conseguirá perceber o quanto de gasto desnecessário você poupou e pode direcionar sua renda para outra coisa.

Para se planejar financeiramente e conseguir criar uma reserva de emergência, você pode utilizar diversas ferramentas disponíveis no mercado, como aplicativos que organizam suas finanças e ajudam a controlar os seus gastos.

Seguir dicas financeiras de canais do YouTube e ler livros sobre o assunto também te ajudarão a poupar a sua grana da melhor forma possível.

Reserva de emergência é investimento

Ao lidar com dinheiro, não tem como não pensar em investimentos. Se você quer trazer mais prosperidade para a sua renda, é preciso aprender um pouco mais sobre eles. Mas porque investir tem relação com sua reserva de emergência?

Poupar grana, não importa para qual objetivo, é um investimento e investimentos não ficam parados. Por isso, ao criar a sua reserva de emergência, na qual você guardará dinheiro todo mês, não pode ser em uma conta parada.

Não adianta deixar simplesmente o dinheiro lá. É preciso fazê-lo render, nem que seja pouco. 

A poupança não é a aplicação mais indicada, mas pode ser uma solução sensata para uma reserva de emergência mais básica, por exemplo.

Hoje, o mercado também oferece conta corrente na qual o seu dinheiro rende, como é o caso do Nubank. 

Agora, se você procura investimentos a longo prazo, já que sua reserva de emergência abrange casos onde os gastos podem ser maiores, os investimentos de renda fixa podem ser a melhor solução para você. 

Independente do seu perfil de investidor, não são indicados investimentos de renda variável quando o assunto é reserva de emergência.

Nesse caso, é um dinheiro que você pode precisar a qualquer momento, por essa razão ele não pode ser posto a perder em investimentos que podem dar errado. 

Reserva de emergência pode ser o seu futuro

A nossa dica é que você comece a sua reserva de emergência o quanto antes. Dessa forma, você fica mais preparado para qualquer circunstância inusitada. Outra dica que damos é deixar o seu dinheiro da reserva de emergência apenas em um lugar.

Assim, fica mais fácil controlar o uso do seu dinheiro de acordo com o objetivo.

Comece com uma quantidade baixa. Já que estamos falando de emergência, ao guardar dinheiro para ela, enxergamos essa reserva crescer e, consequentemente, tomamos mais cuidado no nosso dia a dia para não ter que lidar com imprevistos.

Se tudo correr bem e esse dinheiro não for usado tão cedo, ele pode se tornar um bom investimento no final das contas, te ajudando a alcançar um objetivo que você tem na sua vida. 

Reserva de emergência: como se caracteriza esse tipo de investimento?

A reserva de emergência consiste em um tipo de investimento de curto prazo que pode ser resgatado em casos de necessidade. Ou seja: para imprevistos fora do planejamento financeiro.

Trata-se de uma medida essencial para lidar com situações complexas relacionadas às finanças. Afinal, imprevistos acontecem e aqueles que se preparam têm maiores chances de se reorganizar ou não ser prejudicados financeiramente.

Quem deve ter uma reserva de emergência?

É importante que todas as pessoas tenham façam uma reserva de emergência. Isso porque todas elas podem ser afetadas, de algum modo, pelas eventualidades. A reserva de emergência em conta PJ é uma excelente opção para empreendedores que buscam se prevenir para períodos de crise financeira. Isso porque esse fundo pode ser usado para quitar contas e outras despesas.

Quando fazer uma reserva de emergência?

Tendo em vista que a reserva de emergência se caracteriza como uma aplicação para ser utilizada em situações de imprevisto, é importante se organizar a partir de agora para criar esse fundo.

No entanto, vale lembrar que é necessário ter uma determinada quantia para depositar na reserva. Por esse motivo, fazer um planejamento antecipado é essencial.

Como se planejar financeiramente?

Antes de qualquer planejamento financeiro, é importante verificar o rendimento mensal e os valores gastos no decorrer do mês (ex: aluguel, IPTU, parcela do carro, cartão de crédito, mercado, água, luz, gastos diários etc.).

Tendo isso mente, a organização torna-se muito mais simples.

Fazendo a separação entre o rendimento mensal e os gastos com contas básicas é possível ter uma noção do valor que pode ser usado para a reserva. Todavia, essa quantia precisa ser bem realista.

Por que fazer a reserva de emergência?

Nunca se sabe o que vai acontecer no dia seguinte. É possível perder o emprego, adoecer e precisar de dinheiro para o tratamento ou mesmo quebrar o carro ou algum móvel da casa. Além disso, os proprietários de estabelecimentos e prestadores de serviço podem perder clientes, ter dificuldades de pagar dívidas e movimentar o seu negócio.

Por esse motivo, investir em uma reserva de emergência é uma boa opção para quem é PJ ou pessoa física. Com esse fundo em conta, é possível suprir todos os gastos com esses imprevistos e, desse modo, não ter a organização financeira prejudicada.

No caso da reserva de emergência em conta PJ, o dinheiro pode ser utilizado para pagamento de boletos, capital de giro ou mesmo em investimentos no estabelecimento.

Como fazer a reserva de emergência?

Os especialistas na área de investimentos recomendam fazer uma reserva emergencial que consiga cobrir o padrão de vida do investidor por, pelo menos, seis meses. Contudo, o ideal é que esse investimento o proteja por um ano.

Desse modo, o investidor, no momento de fazer a reserva de emergência, precisa calcular as despesas mensais e multiplicar por esses seis meses (ou um ano, caso opte por esse período).

Por exemplo, se os gastos mensais são de R$ 1.500,00, a reserva de seis meses precisa ser de R$ 9.000,00. No entanto, se a reserva for para 12 meses, esse valor será de R$ 18 mil.

Onde investir?

Tesouro Selic

O Tesouro Selic consiste em um título público de renda fixa expedido pelo governo. Esse modelo de investimento se caracteriza, substancialmente, pelo empréstimo do investidor para o financiamento de áreas públicas, como educação, saúde e infraestrutura. Em contrapartida, ele recebe uma alíquota da taxa Selic anual.

Conforme os especialistas, o Tesouro Selic é um modelo de investimento muito recomendado para reservas emergenciais em virtude da sua baixa variabilidade.

Além disso, esse tipo de investimento se caracteriza pela liquidez diária. Portanto, em casos de emergência, ele pode ser retirado em apenas um dia útil.

CDB com liquidez diária

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) com liquidez diária se configura como uma boa opção de investimento para reservas de emergência. Esse tipo de aplicação, normalmente, tem rentabilidade superior à poupança.

Isso porque esses títulos buscam obter rendimentos superiores ao CDI (Certificados de Depósitos Bancários).

É importante enfatizar que os CDBs contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Créditos) em até R$ 250 mil por CPF. Desse modo, caso o banco emissor quebre, o dinheiro do investidor permanece assegurado.

Fundo DI

O Fundo DI também se apresenta como uma alternativa indicada para reservas de emergência. Esse modelo de investimento é formado por ativos da renda fixa que acompanham as variações da taxa CDI.

Contudo, diferente do CDB, os Fundos DI não são protegidos pelo FGC. Por conta disso, é recomendado que o investidor certifique o rating da instituição emissora antes de aplicar o dinheiro na reserva de emergência.

Vale lembrar que os Fundos DI contam com taxas de administração e, em algumas instituições, com taxas de performance. Sendo assim, é importante considerar esses fatores no momento do investimento.

Onde não investir

Em relação aos investimentos não recomendados para reservas de emergência, por outro lado, os especialistas não sugerem aplicar em moedas estrangeiras (em razão da instabilidade) e em imóveis (por conta da necessidade venda rápida).

Sobre investimentos

Segundo os especialistas do mercado financeiro, é aconselhável fazer investimentos que tenham alta liquidez. Essa medida é recomendada porque não apresenta surpresas no momento de resgatar a aplicação.

Diante disso, é necessário reconhecer as nomenclaturas usadas pelo mercado financeiro a fim de evitar confusões no momento de aplicar o dinheiro para reserva de emergência.

  • D+0 ou liquidez imediata: nesse modelo de investimento, o dinheiro entra na conta do investidor assim que ele opta por resgatar a reserva;
  • D+1 ou liquidez diária: nessa aplicação, o dinheiro da reserva é depositado no dia seguinte à solicitação do investidor;
  • D+30: nesse tipo de investimento, o dinheiro pode ser resgatado após 30 dias da solicitação do cliente;
  • Liquidez no vencimento: nesse modelo de aplicação, o cliente só pode resgatar o dinheiro no fim do vencimento do investimento.

Os três modelos de renda fixa (tipo de investimento que tem uma rentabilidade previsível) mais indicados para reserva emergencial são: Tesouro Selic, CDBs e Fundos DI.

E você? Montaria sua reserva de emergência com qual finalidade? Deixe sua sugestão nos comentários!

2 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*

    • Oi Maria Lúcia, tudo bem?
      Nós da UNUM não somos uma empresa que fornece cartões ou concede empréstimos. Somos um portal de notícias, divulgamos informações financeiras e aconselhamos sobre qual é o melhor cartão ou empréstimo para diferentes perfis.
      Se você ainda não se decidiu sobre qual cartão pedir, temos uma ferramenta que te ajuda a descobrir qual é o melhor cartão para você, considerando o seu perfil de interesses.
      Entre em nosso portal de notícias e responda ao Quiz para saber qual é o cartão ideal para você.
      Acesse: https://plusdin.com/news/quiz/dt4/google/
      Boa sorte!