Cheque especial ou empréstimo pessoal: qual vale mais a pena?

Por: Da Redação em 09/02/2021
Cheque especial ou empréstimo pessoal: qual vale mais a pena?

Nem sempre conseguimos estar com as finanças em ordem e às vezes precisamos de um dinheiro extra para lidar com os entreveros que vez ou outra aparecem. E nessas horas de emergência, as soluções mais fáceis são o cheque especial ou o empréstimo pessoal, pois são facilmente acessíveis a quase todos aqueles que dispõem de contas bancárias.

Porém, bate o medo. Afinal, qual devo escolher? Abaixo, vamos mostrar a diferença entre eles e lhe ajudar a escolher entre os dois nesse momento de aperto.

O que são Cheque Especial e Empréstimo Pessoal?

Tanto o cheque especial quanto o empréstimo pessoal são tipos de empréstimo. Basicamente, o banco ou instituição financeira lhe repassam um valor, que deverá ser pago de forma escalonada ou não, mas sempre com prazo definido, com acréscimo de juros.

O cheque especial já é mais usualmente usado por ser um empréstimo cujo limite já é pré-aprovado e sempre é recorrido quando se gasta mais do que o saldo disponível em conta-corrente. Porém, suas taxas são as mais altas do mercado, chegando a ser de mais de 300% ao ano.

Não à toa, é o principal responsável pelo endividamento de brasileiros, conforme apontou recente pesquisa da CNDL com o SPC Brasil. Segundo o estudo, daqueles que recorreram ao cheque especial em algum momento e não conseguiram cobri-lo, um terço chegou a ter o nome sujo.

Já o empréstimo pessoal precisa ser contratado diretamente por quem o deseja e estabelecido no valor que conseguirá trazer alívio ao contratante. Nesse caso, mesmo que a pessoa tenha um limite pré-aprovado, ela terá a possibilidade de escolher o valor a ser recolhido. Por isso, seus juros são menores.

Como contratar um Cheque Especial ou Empréstimo Pessoal?

Como dito anteriormente, o cheque especial é um serviço oferecido pelos bancos e já é atrelado à sua conta. No momento da abertura da conta, é feita uma análise do perfil para determinar esse valor. Quanto maior for sua credibilidade financeira, maior será esse limite. Assim, essa quantia é disponibilizada já somada ao saldo da sua conta, e é recorrida de forma automática quando você utiliza todo o saldo da conta.

Já o empréstimo pessoal é feito na negociação direta com o banco ou instituição, bastando informar o valor solicitado, escolher o prazo e ter ciência da taxa de juros e informar os dados de cobrança. Porém, esse processo foi simplificado. Atualmente, você pode fazer o empréstimo online sem nem precisar sair de casa. O processo é bem cômodo e menos burocrático do que com os bancos.

Juros

Para evitar maiores endividamentos, o Banco Central estabeleceu, em 2018, que quem utilizar mais de 15% do limite de cheque especial por 30 dias consecutivos receberá uma oferta de parcelamento, com taxa de juros menor que a do normalmente implantada. Em janeiro de 2020, o órgão passou a limitar os juros do cheque especial para 8% ao mês.

Ou seja, os clientes não podem ficar por tempo indeterminado no cheque especial sem receberem uma opção melhor – e precisam ser avisados disso.

No caso do empréstimo pessoal, a instituição financeira é livre para estabelecer os critérios, como prazo de pagamento, taxas de juros mensais e o valor do empréstimo. As taxas de juros são, em média, maiores que as do empréstimo consignado (com desconto direto na folha) e bem menores do que a do cheque especial.

Bônus: Coronavírus e IOF zerado

Desde 3 de abril de 2020, a cobrança do IOF está zerada para as operações de crédito no país. Ou seja, nesse período, a cobrança do imposto não será feita em casos de empréstimo, financiamento, uso do cheque especial ou crédito rotativo. A medida é uma das ações que tentam reduzir o impacto do coronavírus na vida financeira dos brasileiros. A medida irá vigorar até 2 de outubro.

Afinal, qual é melhor: cheque especial ou empréstimo?

A resposta é: depende de sua necessidade. O cheque especial deve ser usado só para emergência e em um curto período (normalmente os bancos dão um prazo de até 10 dias sem a cobrança de juros sobre o valor utilizado), nesse caso, torna-se mais vantajoso, devido à agilidade. Porém, em qualquer outro caso, recorra ao empréstimo com juros mais baixos.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*