Vale a pena investir na poupança?

Por: Da Redação em 09/02/2021
rendimento da poupança

Se os brasileiros viram na pandemia a necessidade de novamente voltar a juntar dinheiro para necessidades, como a perda de emprego e também de renda com as reduções propostas pelas empresas, altamente impactadas pela crise gerada com as quarentenas, o rendimento da poupança mostrou-se um meio novamente obsoleto de investimento.

A poupança ainda é um dos investimentos preferidos dos brasileiros. Como é muito fácil para se investir, prática de sacar e não tem cobrança de imposto de renda nos rendimentos, a maioria das pessoas confia muito nela.

Mesmo com essas facilidades, a poupança tem alguns problemas que atrapalham o seu dinheiro de crescer todos os meses. Será que, ainda hoje, vale mesmo deixar o dinheiro na poupança? Há outro tipo de investimento mais vantajoso e rentável para seu bolso?

Continue por aqui! Na sequência, a gente explica tudo o que você precisa saber sobre este e outros tipos de modalidade, para que você escolha aquele que julgar melhor para a sua vida financeira!

O que é e como funciona a poupança?

Primeiro é preciso entender o conceito de poupança, que é aquele dinheiro que a pessoa deixa em posse dos bancos, que remuneram após a data de aniversário do depósito. Mas essa remuneração está cada vez mais em baixa.

Como funciona a poupança?

Para começar, vamos entender como funciona o rendimento da poupança.

Em 2012 o Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei nº 12.703 que sanciona a Medida Provisória nº 567 de maio de 2012 que altera a regra de remuneração da poupança, por juros de:

– 0,5% ao mês caso a meta da taxa Selic do ano que é definida pelo Banco do Brasil seja superior a 8,5%

A remuneração da poupança é básica e adicional. Quando falamos de remuneração básica estamos falando que ela é dada pela TR que é a taxa referencial.

Bom, atualmente podemos dizer que a poupança é composta pela remuneração básica e pela remuneração adicional. A remuneração básica é dada sempre pela TR, que é a Taxa Referencial, divulgada diariamente pelo Banco Central, e a adicional pela Taxa Selic. Então, quando a meta da Taxa Selic for superior a 8,5% ao ano, os rendimentos são calculados a 0,5% ao mês, mais a TR. Caso a Taxa Selic seja igual ou inferior a 8,5%, a poupança rende 70% da Selic ao mês, mais a TR.

Qual é o rendimento da poupança?

Hoje em dia, a poupança rende 70% da taxa Selic mais a taxa referencial (TR). Esta taxa no momento rende 3% ao ano e a TR está no valor de 0. A Selic é a taxa básica de juros do Brasil e é uma das ferramentas do governo para o controle da inflação e a estimulação da economia.

Em 2020, o rendimento foi de 2,1%, o menor dos últimos dez anos. No total, a rentabilidade da poupança para todos os seus aplicativos no ano passado chegou a R$ 23,8 bilhões. Em relação a 2019, a perda de quem investe na modalidade foi de 31,6%. No entanto, paralelamente aos números, em 2020, mais pessoas aplicaram seu dinheiro na poupança.

Essa movimentação se explica, como dissemos no início do texto, pelo temor da população com a falta de recursos e a instabilidade gerada pela pandemia. Do ponto de vista da saúde financeira do brasileiro, a movimentação é positiva. Ou seja, cada vez mais as pessoas estão se interessando em economizar dinheiro para não passar por necessidades no futuro.

No entanto, o tipo de investimento não é capaz de gerar lucros para quem movimenta, deixando aquele suado ‘dinheirinho’ estagnado. Tenha em mente que um dos pontos positivos da saúde financeira é fazer o dinheiro trabalhar para você. No caso da poupança, você está, definitivamente, trabalhando para ela.

Inflação, IBOVESPA e Bitcoin derrotaram o rendimento da poupança em 2020

Em 2020, a inflação fechou em alta. O IPCA-15 bateu 4,23% contra 2,1% de rendimento da poupança. Quem também ‘goleou’ a tradicional poupança foi o índice IBOVESPA, que reúne as principais ações da bolsa de valores do país, com um rendimento de 2,9%.

Agora quem passeou mesmo foi o Bitcoin. A criptomoeda, de acordo com o levantamento do ‘Poder360’ teria rendido 418,7%, superando quaisquer aplicações no Brasil. A poupança ainda perdeu para o ouro e o dólar, com 55,9% e 29,2% respectivamente de rendimento.

Desvantagens do investimento

Apenas analisando a taxa já é possível ver a desvantagem de deixar dinheiro na poupança, porém existem outros detalhes sobre ela que só pioram ainda mais a sua situação. A poupança rende apenas no seu aniversário, ou seja, o rendimento dela só cairá na sua conta após completar o prazo de um mês inteiro desde o dia que você fez o depósito do seu dinheiro.

Se o depósito foi feito dia 5, por exemplo, somente no dia 5 de todos os meses subsequentes é que você irá receber o rendimento do mês anterior. Se você desejar retirar o valor antes disso, perderá todo o rendimento. O provento que não será perdido é dos meses passados que já fizeram aniversário.

Poupança é o investimento mais seguro?

A poupança não é, de fato, o investimento mais seguro do Brasil, como muitos ainda acreditam. A segurança está atrelada a saúde financeira do banco e do fundo garantidor de crédito (FGC) que assegura depósitos de até 250 mil reais por CPF por instituição financeira caso o banco venha à falência.

Existem algumas opções de investimentos similares à poupança que têm rendimento maior e são tão seguros quanto, como o tesouro Selic e os CDBs. Para ter acesso a esses dois, basta abrir uma conta em uma corretora de valores.

7 opções de investimentos que têm maior rendimento que a poupança

Se você tem dinheiro guardado em poupança, isso por si só já é um sinal que você tem uma educação financeira melhor que a maioria das pessoas, mas o conhecimento sobre investimentos ainda é muito vago.

Você precisa ter em mente que segurança no investimento também pode ser sinônimo de rentabilidade. Por isso, vamos te apresentar alguns caminhos para diversificar seus investimentos, mantendo o perfil conservador.

CDB

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é quando você empresta dinheiro aos bancos. Geralmente tomam como base para remuneração algum tipo de índice de referência de renda fixa, como a taxa do CDI. Como forma de atrair investidores, os bancos, principalmente os pequenos e médios, oferecem rentabilidade acima de 100% do CDI a curto prazo.

Todavia, apesar de oferecer liquidez diária, costumam determinar um período de carência para que esse dinheiro possa ser resgatado e, se quiser tirar o maior proveito do benefício, deve respeitar esse prazo.

Possui a mesma segurança da poupança, já que conta com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), mas pode chegar ao dobro da caderneta. Esse tipo de investimento sofre desconto no Imposto de Renda (IR), mas pode ser destinado a qualquer tipo de linha de crédito.

Tesouro Direto

Muito seguro e tem se tornado o favorito de muitos investidores iniciantes, o Tesouro Direto funciona como o CDB, mas ao invés de emprestar para os bancos, o destino é o Governo Federal. Com apenas R$30,00 (valor mínimo) você já pode começar a investir no Tesouro Direto. Existem três tipos de Tesouro Direto:

  • Tesouro Selic: curto prazo, rende a taxa Selic
  • Tesouro IPCA: médio e longo prazo, acompanha a taxa de inflação
  • Tesouro prefixado: conhece o rendimento no ato da compra

Mesmo com a Taxa Selic em queda, o rendimento é bom a curto prazo. Além de tudo, tem desconto de IR e pode ser resgatado a qualquer momento sem tributação de IOF após 30 dias.

LCI e LCA

Também muito semelhante aos CDBs, as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) são emitidas pelas instituições financeiras que possuem linha de crédito relacionada ao mercado imobiliário e do agronegócio.

Como são isentas de IR, o rendimento é menor ao dos CDBs, mas é maior que a da poupança. Outras desvantagens são os prazos para resgate, que podem ser superiores a um ou dois anos, e o aporte inicial elevado na maioria das vezes (dezenas de milhares). No entanto, alguns bancos podem aceitar valores menores.

Debêntures

No caso das Debêntures, o empréstimo é feito para empresas constituídas como Sociedade Anônima (S.A.) para fazerem algum investimento ou realizar projetos. Como são ativos de emissão privada, não contam com a garantia do FGC.

Desse modo, é extremamente importante verificar a solidez da empresa antes de aplicar. Geralmente os prazos são maiores (2 a 5 anos) e são tributadas no IR, exceto as Incentivas, que são usadas pelo governo para realizar obras de infraestrutura no país – energia, saneamento, extração mineral, construção de rodovias e aeroportos etc.

Fundos de renda fixa

Nesse caso, ocorre aplicação da maior parte em vários tipos de ativos de renda fixa, como títulos de tesouro e CDBs – geralmente 80% – e o restante são aplicados da forma que o gestor definir.

Em outras palavras, não é um produto, mas um serviço, por isso, se atente as taxas que serão cobradas. Além disso, pesquise a empresa gestora, conheça o histórico de performance, saiba a rentabilidade mensal e anual. A rentabilidade desses fundos tentam superar o CDI e são de baixo risco, porém não há cobertura do FGC.

Fundos Multimercado

Negociam vários tipos de ativos, como ações, renda fixa e moedas estrangeiras. Os Fundos Multimercado necessitam de um gestor, o qual vai buscar as melhores oportunidades e fica livre para decidir a melhor estratégia. A rentabilidade está ligada diretamente às decisões do gestor. Lembre-se que quanto maior a rentabilidade, maior o risco. Além disso, é necessário levar em consideração as taxas que são cobradas:

  • Taxa de administração ao fundo: pode chegar a 3% do patrimônio líquido investido
  • Taxas de performance: quando a rentabilidade supera índices de referência, como o CDI

FIIs (Fundos Imobiliários)

Os Fundos de Investimentos Imobiliários (FII) são fundos compostos por investimentos imobiliários. Como são negociados na bolsa de valores, diferente dos investimentos em imóveis através da compra física, a liquidez é alta. Os FII permitem a venda de cotas por um preço maior que aquele que você pagou. Além disso, são isentos de IR e pode receber os rendimentos mensalmente, pois você recebe parte do aluguel dos seus fundos. Existem dois tipos:

  • Papel: compram Certificados Recebíveis Imobiliários (CRI), representam a promessa de um pagamento futuro em dinheiro
  • Tijolo: compram um ou mais imóveis físicos

É um investimento mais arriscado, então não se esqueça de pesquisar bastante antes de comprar qualquer coisa.

Resgate dos rendimentos da poupança

O resgate pode ser feito quando você quiser, mas como já falamos, se tirar mesmo horas antes do aniversário, o cálculo não irá incluir aquela quantia.

Separamos pra você bem explicadinho um passo a passo para esse resgate sem gerar danos. Confira!

1- Não esqueça de olhar a data de aniversário

É importante ficar de olho na data de aniversário antes do resgate. Se existe mais de 1 data, lembre-se de verificar a quantia do resgate que está disponível para a data base.

2- Escolha a opção “resgate de poupança” no app ou no site

Os aplicativos e sites estão disponíveis para essa função. Se mesmo assim preferir algo mais formal, você pode procurar sua agência.

Fazer o resgate de casa é um serviço seguro e prático. Você encontra no menu ”poupança” do seu app. É bem fácil de usar!

3- Autenticações

Você precisa descrever o valor que será resgatado da poupança e fazer as autenticações necessárias com o seu banco. Esse processo é simples e nada tão burocrático.

Agora vamos falar do tempo para o resgate. Bom, o resgate costuma ser imediato, ou seja, na mesma hora em que as autenticações forem validadas, o dinheiro será transferido para sua conta.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*